Permaneça Na Vertical


O título do filme, Na Vertical (Rester Vertical, no original francês) só se explica no final. Quer dizer, explica-se um pouco, e até certo ponto, já que este novo filme de Alain Guiraudie é cercado de mistério de uma ponta a outra. Tom que apenas aumenta sua potência, ao desafiar o espectador tanto do ponto de vista intelectual como sensorial.

Trata-se, também, de um desafio para a crítica. Como em seu longa anterior, O Estranho do Lago, também neste Guiraudie enfrenta o desafio das imagens explícitas de sexo, sem ser de maneira alguma vulgar. Neste, no entanto, ele adensa o sentido de enigma e potencializa a linguagem alusiva dos personagens, procedimentos que dão ao filme uma consistência ainda maior que a do anterior.

Embora desafiador quanto à possibilidade de se deixar resumir numa sinopse, vale tentar algumas indicações. O suposto protagonista, Léo (Damien Bonnard) é um cineasta que ronda pelo interior da França em busca de ideias para seu próximo filme. Conhece na beira da estrada um jovem que julga atraente e tenta, sem sucesso, trazê-lo para o elenco do filme. Descobre que o rapaz mora com um velho e as relações entre os dois parecem ambivalentes. Depois, Léo conhece uma jovem pastora de ovelhas, Marie (India Hair), que conversa longamente com ele sobre o perigo que os lobos trazem ao rebanho. A moça é mãe solteira, tem dois filhos pequenos e mora com o pai. Uma atração entre ela e Léo nasce rapidamente. A história tem desdobramentos, com a chegada de um novo filho e a continuidade do relacionamento de Léo com esses personagens interioranos, enquanto troca telefonemas desesperados com o produtor, que exige informações sobre o desenvolvimento do roteiro.

Mas uma pequena sinopse como esta não dá conta do espírito de um filme que, sem abusar das relações absurdas, avança a contrapelo das expectativas do espectador. É difícil, senão impossível, adivinhar os passos seguintes da obra. O filme avança sempre no rumo do inesperado. Os elementos simbólicos – os lobos, as ovelhas, os homens e mulheres em seus relacionamentos – tudo isso compõe um painel bastante heterodoxo da França profunda. O campo, a atmosfera pastoril, antes sinônimo de clareza e apaziguamento em relação à cidade, agora aparece numa densidade misteriosa que antes não tinha.

Na Vertical é original e profundo. Tira o espectador da sua expectativa passiva e habitual em relação à obra que vê na tela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.