Custódia


Em Custódia, temos a separação de um casal transformada em verdadeira batalha campal pela guarda de um filho.

Dirigido por Xavier Legrand, a história ganha o contorno de um thriller, turbinado em especial pelo caráter violento de Antoine Besson (Denis Bénochet), o pai e marido em questão.

Aliás, as alegações de Miriam (Léa Drucker) para se separar baseiam-se exatamente no caráter pouco controlado e truculento de Antoine. Este, magnificamente interpretado por Bénochet, é um daqueles sociopatas sorrateiros, capazes de seduzir um juiz para, em seguida, reincidir em seus atos.

O filme é cheio de energia. Parece ora um thriller, ora um
documentário sobre o tema da violência familiar. Legrand acerta ao evitar o tom maniqueísta, mas também não fica em cima do muro. Apenas não evita, em nome de uma clareza ilusória, as complexidades e ambiguidades que residem nos sentimentos humanos. Tanto nos bons como nos mais perversos.

Custódia participou do Festival de Veneza e ganhou os prêmios de direção e melhor longa-metragem de estreante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.