Agnès, para sempre

Há um clichê jornalístico de se referir sempre à última obra de um artista como “seu testamento”. Mesmo que jamais passasse pela cabeça do artista em questão que viria a morrer em seguida e que seu trabalho final fosse lido como um balanço de carreira e carta de intenções legada à posteridade. Tal não é … Continue lendo Agnès, para sempre