Os filmes do Chico


Chico Buarque acaba de ganhar o Prêmio Camões e precisamos lembrar que três dos seus romances viraram filmes. Estorvo, Benjamin e Budapeste ganharam as telas e são de muito boa qualidade, à altura do original literário.

Eu diria, até, que o primeiro deles, Estorvo (2000), dirigido por Ruy Guerra, aprofunda o tratamento já radical dado por Chico à distopia urbana brasileira. Ruy, moçambicano e brasileiro desde os anos 1960, tornou-se um dos principais nomes do Cinema Novo, com filmes como Os Cafajestes e Os Fuzis. Nunca abdicou da radicalidade estética e a empregou a fundo nesse filme dos anos 2000, que já prefigurava o buraco negro em que o país parecia se meter (e em que acabou se metendo mesmo).

Ruy deve estar bem feliz; é amigo e parceiro de Chico. São autores da peça Calabar, proibida pelo governo militar e que mereceria ser encenada hoje, quando a delação anda em alta na “ética” governamental da Terra Brasilis.

De qualquer forma, em Estorvo, o personagem principal (interpretado pelo cubano Jorge Perugorría, de Morango e Chocolate) move-se como um fantasma num mundo que não é mais o seu. Tem sua propriedade invadida e…Bem, vejam o filme, de tom notadamente kafkiano (de Franz Kafka e não Kafta, por favor).

Em Benjamin (2004), de Monique Gardenberg, o protagonista é Paulo José. A história atravessa vários tempos, com uma história de amor interrompida pela ditadura militar.

Budapeste (2009), de Walter Carvalho, põe em cena o ghost writer José Costa (Leonardo Medeiros), que à certa altura da vida se vê dividido entre Brasil e Hungria, dois idiomas (o português e o húngaro) e a esposa brasileira e a misteriosa Kriszta (Gabriella Hámori), que ele conhece em Budapeste. O virtuosismo de Carvalho vai ao encontro da elaborada prosa de Chico Buarque.

São filmes a serem revistos. Num apanhado geral, parecem refletir a evolução da arte de Chico Buarque, em que o realismo cede lugar a paradoxos de tempos e linguagens propondo uma relação lúdica e aberta com o leitor/espectador, sem por isso deixar de ser crítica.

Seu romance mais recente, O Irmão Alemão, clama por uma versão em cinema.

Leia a série completa de A arte da crítica

Ou na página do Facebook: A arte da crítica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.