A Aldir Blanc


Caía a tarde como um viaduto…

Quem ousaria escrever um verso como esse, com essa imagem brutal? “Caía a tarde como um viaduto”. Aldir Blanc o fez . Todo mundo o conhece como primeiro verso de O Bêbado e a Equilibrista, parceria com João Bosco (como tantas outras).

O Bêbado e a Equilibrista foi chamado de “hino da Anistia”. Não espero de ninguém que não tenha vivido aquele tempo a dimensão real da coisa. Mas, para nós, fartos da ditadura, a Anistia significava a volta dos que haviam sido expulsos de sua pátria – justamente por dedicarem suas vidas a ela. Um primeiro e tímido reencontro do país consigo mesmo. E sinalizaria também o começo do fim daquele regime odioso que nos oprimia desde 1964.

Na letra, Aldir falava também da “volta do irmão do Henfil/com tanta gente que partiu/num rabo de foguete”. Referia-se a Betinho, o sociólogo Herbert de Souza, irmão do cartunista, que, de volta ao Brasil, lideraria uma fantástica campanha contra a fome, vergonha maior do país.

Aldir Blanc nos deixou na madrugada de hoje, vítima da covid-19. Tinha 73 anos. Não falarei sobre o conjunto da sua obra – outros, mais qualificados, o farão.

Quero apenas lembrar desse Aldir Blanc, que naquele momento de aflição deu forma poética à nossa esperança.

Jamais poderemos pagá-lo por isso, a não ser com nossa eterna gratidão.

Obrigado, Aldir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.