Indie 2020: ‘Lótus Perdida’, entre a vingança e a justiça


Buscamos justiça ou vingança? A pergunta incômoda está no centro de Lótus Perdida, de Hong Kong, atração do Indie – Festival do Filme Independente.

O longa, da diretora Liu Shu, trabalha com simplicidade (mas sem perder profundidade ) nessa linha fina das questões éticas e seus impasses.

Wu Yu é uma jovem professora. Fica abalada com a morte da mãe, atropelada por um desconhecido. A religião budista, mesmo com a ideia de reencarnação, não a conforta. Ela se obstina em encontrar o motorista, que se evadiu do local sem prestar assistência à vítima.

Tanta disposição cobra seu preço. O marido a ajuda, mas até certo ponto. Às tantas, surge em cena um advogado, propondo acordo. Seu cliente paga uma bela quantia para que tudo seja esquecido. Ela não topa. Quanto vale a vida da mãe?

Mas o castigo ao culpado a trará de volta? O que deve ser feito a quem causa a morte de uma pessoa? Aplica-se a justiça, mas será o suficiente? Ou retornaremos à Lei de Talião? Olho por olho, dente por dente. Uma morte por outra?

Essas questões disputam espaço em nosso cérebro enquanto assistimos a esse filme simples, breve, porém inquietante.

Uma narrativa é, também, uma forma de discurso, uma análise de possibilidades de pensamento e de conflitos morais. Ora nos identificamos com a protagonista, ora nos distanciamos dela. Para quê? Para formarmos nossa própria convicção. Ou para reforçar nossas dúvidas?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.