Marte Um, o direito de olhar para o céu


Marte Um, de Gabriel Martins, tem aquela rara qualidade de emocionar, fazer rir, chorar, e, ao mesmo tempo, propor reflexões ao distinto público. Como seus colegas da produtora Filmes de Plástico, Gabriel ambienta seus trabalhos em Contagem, na Grande Belo Horizonte. O tom é naturalista, descomplicado. Os diálogos, bastante trabalhados, soam naturais, do jeito que as pessoas falam, num mineirês delicioso. Contagem é seu microcosmo, seu mundo, o lugar onde tem os pés no chão – naquele sentido em que Tolstoi recomendava que, para ser universal, basta ao artista retratar sua aldeia.

De Contagem também se vislumbra o universo, já que um dos seus personagens é o garoto fascinado por astronomia. A família Martins (mesmo sobrenome do cineasta, não por acaso), compõe-se do pai, Wellington (Carlos Francisco, da mãe, Térsia (Rejane Faria), e um casal de filhos, o adolescente Deivinho (Cícero Lucas) e Eunice (Camilla Damião).

O pai, zelador de um prédio em Belo Horizonte, sonha para Deivinho o futuro de jogador de futebol. A mãe é empregada doméstica. O garoto joga bola, mas sua cabeça vive antenada em coisas da ciência. A estudante de Direito Eunice, planeja um jeito de contar aos pais que procura um apartamento para morar com outra pessoa.

Eis aí: uma família como tantas outras nesse Brasil. Vive-se o ano de 2018, quando é eleito o presidente de extrema-direita, em todo contrário aos anseios dessa família simples. A referência política, no entanto, não estabelece uma ligação causal, mecânica, entre o presidente disfuncional e os problemas que começam a acontecer. É mais a sensação difusa de um ambiente tóxico que se instala e passa a afetar a vida de todos.

No entanto, o que mais encanta em Marte Um é seu retrato vivo da intimidade dessas pessoas comuns, gente igual a todos nós. Aos poucos – e isso por obra tanto do roteiro afinado, do ritmo e direção segura, quanto do elenco – nos sentimos parte daquela família. Rindo com eles ou nos emocionando quando enfrentam dificuldades. O filme tem humor e amor, além de muita música. Tudo nele passa verdade, esse efeito sempre buscado pelo cinema e raro de ser encontrado. Na luta pela vida, vence a ternura.

Cotação: ÓTIMO

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.