‘Encontros’: a epifania do cotidiano


Encontros, de Hong Sang-Soo, é um filme de duração breve (pouco mais de uma hora) e título lacônico. Faz jus à fama de discrição desse cineasta coreano, muitas vezes comparado a um dos mestres da nouvelle vague francesa, Éric Rohmer. De fato, um como outro fazem um cinema baseado na conversação. Ambos buscam uma simplicidade superior que, como se sabe, é uma qualidade bastante complicada de alcançar.

Encontros, também à maneira de Rohmer, é dividido em capítulos, números que aparecem de forma discreta na tela, separando as partes e articulando-as em seu conjunto. Na primeira, o jovem Young-ho (Shin Seok-ho) pede à namorada Ju-won (Park Mi-so) que o espere enquanto visita seu pai, um médico, mas este está ocupado com um cliente, um ator famoso. Na segunda, Ju-won encontra-se em Berlim, onde vai estudar moda, quando é surpreendida pela chegada do namorado. Na terceira,  Young-ho, de volta à Coreia, vai à procura da mãe e a encontra em companhia do ator do primeiro segmento.

São histórias entrelaçadas de maneira orgânica e muito natural, num texto bem construído, que valeu ao filme o Urso de Prata em Berlim de melhor roteiro.

Não se trata apenas de roteiro, mas da maneira como tudo é colocado em cena. Filmando em preto-e-branco, Hong Sang Soo parece buscar o despojamento completo, tanto no desenho visual quanto nas interpretações do elenco. É como se, despido de qualquer artifício, o espectador pudesse testemunhar essas fatias de vida se desenvolvendo “in natura”, sem qualquer intervenção artística. Claro, esse é o efeito de um artifício superior, operante mas que não se deixa ver enquanto tal.

A invisibilidade da construção cinematográfica aguça a nossa atenção para a aparente banalidade do enredo. Este revela apenas nas entrelinhas uma sutileza crítica do cotidiano e dos impasses amorosos e de relacionamento. É um cinema que desafia a épica e não transmite qualquer pedagogia explícita sobre o modo moderno de se relacionar e estar em sociedade. No entanto, quem souber ver e ouvir, vai sentir aqui e ali as pequenas epifanias desses encontros e desencontros, em aparência sem nada que os torne notáveis.

São esses pontos de brilho, raros porém decisivos, que podem iluminar por instantes o mistério escondido atrás da enganosa banalidade da vida cotidiana. Encontros é um filme de revelações sutis.

Cotação: BOM

Publicidade

2 comentários em “‘Encontros’: a epifania do cotidiano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.