Há 60 anos, o primeiro 007…e a primeira Bond Girl


Há 60 anos estreava O Satânico Dr. No, primeiro título da franquia James Bond. De lá para cá tudo se transformou e o agente 007 foi encarnado por diversos atores. Mas o primeiro Bond a gente não esquece. E este primeiro agente com licença para matar surge na tela grande na pele do insuperável Sean Connery.

Também neste filme de 1962, dirigido por Terence Young, surgia a primeira Bond Girl, a também imbatível Ursula Andress. A cena que a transforma em mito sexual a mostra saindo do mar caribenho, de biquini branco e facão na cintura, para pasmo de Bond, que a admirava da praia.

Nessa primeira aventura, Ursula aparece apenas depois de uma hora que o filme já começou. Mas, daí em diante, quase não sai mais de cena – para deleite da plateia masculina que curtia essa primeira aventura adaptada da obra de Ian Fleming.

Diante do sucesso desse filme inaugural, Sean Connery (1930-2020) faria ainda Moscou contra 007, 007 contra Goldfinger, 007 contra a Chantagem Atômica e 007 – Só se Vive duas Vezes. Filmes que compõem o cânone da franquia. Entre os adeptos de Bond, porém, há muitas discussões. Por exemplo, muita gente acha Goldfinger superior a Dr. No. Verdade, vilão por vilão, os dois se ombreiam. Mas a vantagem de Dr. No (interpretado por Joseph Wiseman) é ter sido o vilão inaugural. Por isso, ocupará, para sempre, o pódio no panteão nostálgico da geração que viu o filme do cinema, em uma tarde de comum divertimento, antes que 007 se tornasse um ícone do entretenimento cinematográfico.

Visto hoje, O Satânico Dr. No conserva ainda virtudes que provavelmente contribuíram para seu sucesso no início dos anos 1960. A trama é simples, quase simplista mesmo, quase à maneira de uma história em quadrinhos despretensiosa. Equilibra ação e erotismo, sem exagerar de um lado ou do outro. É ousado para época, nunca explícito e jamais apelativo. Mas é bem possível que os exegetas contemporâneos censurem o machismo de Bond, cisgênero, branco e incorrigível mulherengo. E também, claro, o colonialismo que ele representa.

De fato, Bond é enviado para a Jamaica para esclarecer o desaparecimento de um agente britânico. Suas investigações o levam ao misterioso dr. No, cientista malvado com plano de destruir o programa espacial norte-americano. Com um pouco de imaginação, podemos lembrar que 1962 foi o ano da crise dos mísseis em Cuba e o auge da Guerra Fria, quando o planeta esteve à beira de uma guerra nuclear. Um pouco desse clima tenso passa no filme, sob a forma de uma cooperação entre Estados Unidos e Inglaterra para enfrentar um inimigo poderoso. Não diretamente a então União Soviética, mas uma organização criminosa imaginária chamada Spectre, comandada pelo Dr. No. Enfim, era o “mundo livre” contra os malucos do outro lado. O de sempre, até que tombasse o muro de Berlim, a URSS fosse dissolvida e os filmes de espionagem tivessem de buscar novos inimigos e vilões.

Dirigido por Terence Young (1915-1994), O Satânico Dr. No mostra qualidades cinematográficas. A fotografia, de Ted Moore, é de um colorido expressivo e muito adequado à paisagem marinha do Caribe. A música de Monty Norman virou um logotipo auditivo para a entrada em cena de Bond. A abertura é criativa, com uma figura masculina indefinida surgindo na objetiva de câmera fotográfica, apontando a arma na direção do espectador e disparando.

A aventura desenvolve-se com simplicidade e fluidez. Connery é uma presença marcante na tela, um ator cujas qualidades foram provadas depois, em obras mais difíceis. Não consegue ser canastrão mesmo em papéis tão pouco propícios a nuances como o de agente de Sua Majestade. Ursula Andress é a Bond girl emblemática e não é preciso nenhum argumento para sustentar essa afirmação. Basta vê-la. As cenas de ação são boas e mantêm-se em dimensões humanas, assim como as perseguições de automóveis. Nada comparável à saturação tecnológica e aos exageros narrativos dos 007 posteriores, que levam os filmes e os personagens à caricatura. Este era ainda, digamos assim, um James Bond artesanal. Analógico. Vale a pena revê-lo.

Para quem quiser matar as saudades, O Satânico Dr. No encontra-se disponível no streaming, na Amazon Prime Video e também no Apple TV+.

Publicidade

Um comentário em “Há 60 anos, o primeiro 007…e a primeira Bond Girl

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.